Archive for junho \30\UTC 2009

h1

junho 30, 2009

.

.

.

‘o vento gosta é de cantar: quem faz uma letra para a canção do vento?’
.

.

.

.

.

.

.

.

.

mario quintana

h1

junho 30, 2009

..

.

.

Ela contou do meu olhar, disse que era provocante em alguns momentos, e aconhegante em outros. Eu estava naquele momento estranho, numa rotina contra a mediocridade dos dias. A repetição não é o problema em si. Andar é uma repetição de passos. A questão é: para onde esses passos estão te levando? Eu não soube lidar com seu charme.
A verdade é que minha vida poderia mudar completamente apenas com um punhado daquele encanto, com algumas noites compartilhadas daquela paixão que se anunciara. Mas para mudar a vida dela de alguma forma, eu precisaria doar muito mais. Muito mais dedicação, cuidado, muito mais de mim.Nesse momento lembrei de uma frase que recebi num bar em Montreal. Nunca tive certeza se concordava. Traduzi aqui.

“Um homem pode se transformar com um acorde. A mulher precisa da melodia completa.”

Eu me apaixono até com o silêncio.

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

vitor freire

h1

junho 30, 2009

..

.

.

“Amando noites afora
Fazendo a cama sobre os jornais
Um pouco jogados fora
Um pouco sábios demais
Esparramados no mundo
Molhamos o mundo com delícias
As nossas peles retintas
De notícias”
.

.

.

.

.

.

.

.

chico buarque

h1

junho 30, 2009

.

5435

.

h1

junho 30, 2009

.

.

.

.

” meu coração, não sei por que. . .”

.

.

.

.

.

h1

junho 30, 2009

..

.

.

.

Quero bastar-te, suprir-te, fornir-te, preencher-te.  Quero que em mim tu te procures e te encontres, ou te percas definitivamente, mas quero que teu percurso, teu trajeto e teu paradeiro de mim façam parte.

Quero amparar-te, apoiar-te, erguer-te, levantar-te e deitar-te a meu lado quando o chão for o lugar de encontrar-te. Quero obedecer-te, guiar-te, ouvir-te, aconselhar-te e calar tua boca sobre a minha quando o silêncio for o som de escutar-te.

Quero semear-te, colher-te, arar-te, chover-te, banhar-te e beber-te sofregamente quando teus líquidos forem o meio de absorver-te. Quero emprenhar-te, fecundar-te, fertilizar-te e ter em mim uma outra vida tua quando em outro for se fazer a vida de viver-te.

Quero morrer-te, ressucitar-te, desfalecer-te e renomear-te quanto teu nome for o meu nome de reinventar-te. Quero refundar-te, renascer-te e reamar-te quando o teu amor for o meu amor de recomeçar-te.

.

.

.

.

.

.

.

ticcia

h1

junho 30, 2009

..

.

.

.

não é mentira
é outra
a dor que dói
em mim
é um projeto
de passeio
em círculo
um malogro
do objeto
em foco
a intensidade
de luz
de tarde
no jardim
é outra
outra a dor que dói
.

.

.

.

.

.

.

.

.
ana cristina césar