Archive for setembro \30\UTC 2009

h1

setembro 30, 2009

.

Se queres que esse amor
estenda-se ao infinito
varra pra bem longe
esses atos descabidos.
Essa vaidade sem sentido.
Se queres que esse amor
prevaleça à dor
teça redes brancas
ao vento das manhãs.
Limpe a casa toda
Espatife  essa tristeza.
Arranje as violetas
e me convide pra jantar.
Se queres que esse amor
resista aos temporais
recolha a roupa seca do varal.
Vem passear comigo
de mãos dadas.
Fique atento ao vendaval!
Busque as luas que não tive.
Orbite feito sol à minha volta
Que é para que eu note
o brilho a perdurar
E o seu olhar…
Se queres que esse amor
atravesse o tempo
cheire o meu cabelo
Assopre os fios…
Pise com pés macios
esse chão.
Não morda meus sonhos!
Repara a chave na fechadura.
Duas voltas são pra vida toda!
.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

layara

h1

setembro 30, 2009

.

Corda bamba em que empenho minhas paixões inúteis
de louca, trapezista, ou palhaço, levando no chapéu torto
a flor da esperança de que tenham esquecido as redes.
Não importa saber:
abaixo dessa dança, no vazio que finges, sei que observas.
Teu rosto de disfarçado amor espelha tudo o que sonho,
escondo ou faço.
.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

lya luft

h1

setembro 30, 2009

.

as possibilidades de felicidade
são egoístas, meu amor
viver a liberdade,
amar, de verdade
só se for a dois (só a dois)
.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.
cazuza

h1

setembro 29, 2009

.

.

.

.

“Da tristeza eu faço letra de samba. E acordo de novo a alegria que mora em mim. “

.

.

.

.

.

.

.

.

cris guerra

h1

setembro 29, 2009

.

Não há palavras, apenas o silêncio e uma mente tentando se esvaziar. Não há nada que eu possa fazer ou dizer: está tudo parado e na contramão. E eu tentando, como quem se engana, não estar em mim.
.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

kenia mello
h1

setembro 25, 2009

.

65656

.

h1

setembro 25, 2009

.

sonhos são projeções do presente para doces futuros. são lugares nas histórias e músicas favoritas onde imaginamos estar.

te dou os meus sonhos para juntar com os seus. tenho coleções de lindos sonhos, diferentes cores para pôr-do-sol, mapas para se perder em países distantes, perfeitas tempestades para fazer voar monotonias e uma caixa cheia de brisa para quando estiver muito calor.

dos seus sonhos eu não sei muita coisa. mas da minha parte é isso que posso oferecer. pedacinhos de caos que surgem e voam da minha mente enquanto estou dormindo, enquanto estou ocioso ou preso em caóticos trânsitos urbanos mas pensando  em lugares onde nossa nuvem polvilhada em canela e açúcar deseja estar.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.
tiago yonamine