Archive for novembro \30\UTC 2009

h1

novembro 30, 2009

.;

;

 

Meu amanhã

Ela é minha delicia
O meu adorno
Janela de retorno
Uma viagem sideral

Ela é minha festa
Meu requinte
A única ouvinte
Da minha radio nacional

Ela é minha sina
O meu cinema
A tela da minha cena
A cerca do meu quintal

Minha meta, minha metade
Minha seta, minha saudade
Minha diva, meu divã
Minha manha, meu amanhã

Ela é minha orgia
Meu quitute
Insaciável apetite
Numa ceia de natal

Ela é minha bela
Meu brinquedo
Minha certeza, meu medo
É meu céu e meu mal

Ela é o meu vício
E dependência
Incansável paciência
E o desfecho final

Meu fá, minha fã
A massa e a maçã

Meu lá, minha lã
Minha paga, minha pagã
Meu velar, meu avelã
Amor em Roma, aroma de romã

O sal e o são
O que é certo, o que é sertão
Meu Tao, e meu tão…
Nau de Nassau, minha nação

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Lenine

Anúncios
h1

novembro 29, 2009

 ,,

,

,

,

Sol com sol
no teu aniversário
um sol maior
 

,

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

;

alice ruiz

h1

novembro 27, 2009

.

.

.

.

h1

novembro 27, 2009

..

.

.

.

A minha poesia
Gruda minhas paixões
Aquelas mesmas que me pegam de jeito
Que me mudam o rumo
Que me partem
Se partem
Ficam
Vão
(de ir embora,
o verbo que se vai,
nunca é aquele
que não vale a pena).

A minha poesia
Se rende sempre ao todo
Do meu jeito fácil
De me apegar
Apaixonar
Correr
Lutar
E voltar atrás
E voltar
Voltar…
Pois sou assim
Aquele que se apaixona.

A minha poesia
Esquece os trancos
Barrancos
Se entrega ante a minha entrega,
À minha entrega
Cola na pele
Rasga
Conserta
Enxerta
Salta.

A minha poesia teima
Em ser assim
Sem revisão
Com sobras
Sem tempo
Com desleixo
Sem fuga
Com jeito

A minha poesia
Fala demais
Prolixa!
Mesmo quando (nesse segundo)
Só queria falar de saudade.
.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

alexandre beanes

h1

novembro 27, 2009

.

– Porque aquele dia você me fez orbitar!
Brilhavam no céu as estrelas
A lua dava fôrma às formas
E eu no balanço pude então tocar
As estrelas, a lua e o céu …

Eles que agora exorbitam
sempre que podem dentro de mim.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

matheus n.

h1

novembro 27, 2009

,

,

O que me mata é o cotidiano. Eu queria só exceções.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

clarice lispector

h1

novembro 25, 2009

.

.