Archive for abril \27\UTC 2010

h1

abril 27, 2010

.

.

.

.

“é desconcertante,rever o grande amor. . “

.

.

.

.

.

.

.
.

.

.

Anúncios
h1

abril 26, 2010

.

Passeio hermética
pela ponte do nada.
No meio da vida encontro este medo
[que me olha de cara lavada.]
E assombra mais a cada momento.
Estou no meio da ponte.
Não tenho pés.
Não tenho asas.
Não tenho vento.
Suo frio todos os suores do mundo.
Sorvo frio de todos os suores do mundo.
Olho o rio
já meio em delírio
[de fora de mim
Mas… ainda me vendo.]
Se ao menos pudesse jogar este medo
nas águas que descem!
E o rio sussurra:
-Não conte comigo. Faça uma prece!
E o medo padece em mim
antes que a prece venha em meu socorro.
Nessa hora,
não sei se morro de medo,
ou se corro,
sem pés,
num pé-de-vento.
Já sem tempo.
[passado da hora
de ser colhido.]
Não sei se há salvação
para pontes do nada
no meio da vida.
[E no meio do não vivido.]
Não sei quantas destas,
para prender o medo,
precisava ter construído.
E nem quantas ruíram
aos meus pés
que já se sabiam
perdidos!

Perdidos de medo no meio do nada.
Perdidos por si mesmos.
Perdidos por nós .
Perdidos e abismados.
Perdidamente perdidos de ser!

[O medo da vida é louco e eu temo ter enlouquecido
de viver!]

.

.

.

.

.

.layara

h1

abril 24, 2010

.

.

h1

abril 24, 2010

.

nós já nos cruzamos
nós já nos miramos
nós já nos juntamos

agora,
seguimos em frente

nos atravessamos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

j.f. de souza

h1

abril 24, 2010

.

Quando chegar
das noites mais frias daí
de longe assim dá pra sentir
o descompassar que há de vir

Qual é a hora?
quando é verão pra lá do horizonte?
se for agora…sempre demora
mais um segundo fluindo os instantes

E essa saudade
qual o assunto da pauta do mês?
tantos caminhos indo e vindo…
quase só, quase sorrindo
quase cinco para às seis

Viajante dos muitos mares
amares por todo o quarto
ultrapassando as cortinas
reverberando os compassos

Sereia desta baía
seria alheia aos meus versos?
toda distância em si chama
para bem mais que o mais perto

Musa das canções que fiz
junto ao baque das ondas
pés na areia, sigo às tontas
como fosse tudo afinal de contas.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

clóvis struchel

h1

abril 17, 2010

.

.

h1

abril 17, 2010

.

É só acreditar
Que o sonho mais perfeito
Pode se realizar
.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

pato fu