Archive for janeiro \31\UTC 2011

h1

janeiro 31, 2011

.

.

.

.

.

.

eu tenho vivido muito sozinha ultimamente.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Anúncios
h1

janeiro 31, 2011

.

.

.

.

PRA VOCÊ, MEU.

.

O bom – mesmo – é ter uma pessoa. Não ter de posse, ter de saber uma pessoa. Você é a minha pessoa porque cada vez que eu te vejo, e não importa se faz uma semana, um mês, um ano que não nos vemos, cada vez que eu te vejo eu me sinto muitíssimo bem. Eu posso chegar até o extremo do baixismo e do mau gosto, ao ridículo, ao fundo. Você é muito cúmplice nessas horas. Não que chegue até lá comigo, mas está do lado e ri junto e o seu julgamento é livre: seu não-julgamento.

.
O bom é saber que existe uma pessoa com quem podemos ser. E com quem podemos contar apesar de. E que vai arrastar os móveis e dançar comigo na minha sala de estar.

.
Eu amo você porque eu amo a eu que você criou.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

juliana amato

h1

janeiro 31, 2011

.

.

.

.

hoje, tão Gullar.

.

A Lua passa em seu signo hoje, levantando sua alma, expondo crises, delicadezas e sensibilidades. Mas a vida real acolherá bem tudo isso. Amigos ou pessoas mais vividas e experientes estarão ao seu lado então algumas expectativas começam a dar resultado concreto – de hoje a 5ª feira próxima, atenção.

*

respondendo: NÃO. A VIDA REAL NÃO ESTÁ ACOLHENDO ISSO MUITO BEM.
QUARTA FEIRA EU SOLTO OS DEMÔNIOS.

*

Um instante

Aqui me tenho
Como não me
conheço
nem me
quis

sem começo
nem fim

aqui me
tenho
sem mim

nada lembro
nem sei

à luz presente
sou apenas um
bicho
transparente

Ferreira Gullar

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
juliana amato
h1

janeiro 27, 2011

h1

janeiro 27, 2011

.

.

.

.

.

.

.

Inspira, expira.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

h1

janeiro 26, 2011

.

.

.

.

.

Amor

Um delicado pra mim,
dois delicados pra você.
Um delicado pra mim,
dois delicados pra você.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

marina w.

h1

janeiro 26, 2011

.

.

.

.

.

.

.

♪ O que é que eu posso contra o encanto, desse amor que eu nego tanto, evito tanto e que no entanto, volta sempre a enfeitiçar ♪

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.