Archive for abril \27\UTC 2011

h1

abril 27, 2011

.

.

.

Castelo.

Dá prá construir qualquer coisa com o que não aconteceu.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

h1

abril 23, 2011

.

.

.

.

.

.

.

.

Antes soubesse eu o que fazer com estrelas na mão.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

h1

abril 21, 2011

.

.

.

.

.

.

Sê-de poeta

 
São tranquilos os passos inconscientes que não buscam no chão o passo seguinte, que não perdem o caminho ou não importam-se em perder, que sentem o chão como nuvens vazias, que tropeçam e caem, sem perceber.Os pássaros, mudos, invejam o andar. Com que plenitude poderiam fazê-lo?

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 thalita martins
h1

abril 20, 2011

.

.

.

.

Perto
.
.
Eu quero estar perto das máquinas de escrever antigas de onde saem tuas letras.
Quero estar perto das palavras e das mágicas que saltam dos teus dedos.
Estar perto dos jardins e labirintos onde vivem teus seres imaginários.
Perto dos conceitos que tu inventas. Ao alcance das tuas rimas.
Quero estar perto do fim do dia, de um novo começo.
Perto da noite que te alcança e te toca e te namora.
Perto das águas mais furiosas. Das folias de saber-te meu.
Eu quero estar perto do teu hálito fresco, doce e afrodisíaco.
Perto de todos os morangos que me dás. Das salivas que me causas.
Eu quero estar perto dos temperos mais exóticos,
dos líquidos que te banham e dos fluídos que me escorrem.
Quero estar perto das tuas fortalezas e invadir tua cama…
Perto dos animais mais antigos, das cavernas em que te escondes.
Perto dos ventos e das tempestades de raios.
Perto das loucuras que costuma-se cometer por amor
e das fogueiras das paixões mais explosivas.
Quero estar perto do cais onde tu ancoras os teus navios.
Perto dos teus mares em fúria e das tuas águas em calmaria.
Quero estar perto dos ardidos, das pausas, dos rascunhos, das rasuras.
Quero estar perto dos teus urgentes. Oferecer-me aos teus dentes.
Beber do teu veneno. Provar do teu eterno.
Quero estar dentro dos teus véus, dentro dos teus céus (do mundo e da boca).
Quero estar perto do teu centro e dentro do teu sexo.
Perto do teu êxtase e do teu alívio.
Perto do teu adormecer e dos teus sonhos mais profundos.
Quero estar perto dos teus olhos.
Estar perto da tua existência tão distante, tão próxima, tão minha.
Perto dos teus desejos, dos teus eretos. Quero tatuar-me nos teus concretos.
Quero estar perto dos teus passos,
caminhar nos teus espaços, entregar-me aos teus abraços.
Estar perto das tuas amarras macias. Fazer-te atas, nós e laços.
Nadar nos teus submersos, mergulhar nos teus versos.
Banhar-me contigo em lagos límpidos e eróticos.
Engolir todos os teus gozos e átimos.
Eu quero estar perto das tuas artérias, dos teus pelos, da tua pele.
Perto das línguas doces e úmidas que lambem e molham o meu corpo.
Perto dos líquidos, dos viscosos, dos saborosos.
Quero estar perto dos tecidos suaves em que te deitas.
Quero estar perto das curvas perigosas que me levam até ti.
Perto dos teus castelos e das tuas riquezas.
Perto do teu avesso, do teu inconfesso, dos teus emaranhados.
Dos teus espelhos e dos teus absurdos.
Quero estar perto das sinfonias inacabadas que me dedicas.
Estar perto dos teus altos, embaixo dos teus saltos.
Acordar nas tuas noites, fazer amor contigo e tuas estrelas.
Amanhecer ao teu lado.
Estar perto do teu sol. Ser do teu agrado.
Quero estar perto dos precipícios abissais, dos mergulhos encantados,
das cidades esquecidas, das luzes apagadas.
Quero estar perto de você em cada pedaço, em cada estrada.
Enganar o tempo e o espaço pra estar ao teu lado.
Mais nada.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

van luchiari

h1

abril 19, 2011

,

.

.

♪♫ como é grande, o meu amor por você . .  .      ♫
.
.
.
,

.

h1

abril 18, 2011

.

.

.

.

.

.

.

sem promessa de vida, no meu coração.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

h1

Ana Larousse

abril 12, 2011

.

.

.

.