Archive for novembro \30\UTC 2011

h1

novembro 30, 2011

.

.

.

.

.

 

.

.

te amo no meio da tarde no tempo errado

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Juliana Gola

Anúncios
h1

novembro 29, 2011

 

 

 ♫ Parabéns prá você, nesta data, querido. ♫♪♪♪

h1

novembro 27, 2011

.

.

.

h1

novembro 27, 2011

.

.

.

Quando você não veio

Pulamos a página quando tínhamos um mundo de amores guardado no peito.  O riso, o rosto, o corpo, a mão. Tínhamos amor e uma saudade recente. Tínhamos quase tudo, mas você não veio. Por acaso ou desencontro. Por uma presença à toa fazendo demora no tempo: você não veio. Por alguma razão maior que eu, não tínhamos você. Numa memória, num abraço, em um novo laço. Nos planos, nos sonhos, nos dias felizes: você foi só ausência. Tínhamos quase tudo. Não arrisco um esquecimento pelo silêncio, pela cama arrumada, pelo coração vazio nem pelo amor que não tenho. Mas por respeito, arranco as páginas pelo tempo roubado, pela cor dos meus lábios, intactos, pelo excesso do gosto bom que só agora corre pelo corpo. Esqueço cada grito, por cada silêncio desvendado. Subtraio nos seus excessos. Tenho que deixar acontecer, rolar, desenrolar. Arranco a página pela eternidade que não foi vivida. No teu sempre que não é agora, o meu futuro nasceu pra se perder do seu. 
 
Pelo o que poderia ter sido só ontem ou só hoje e ainda assim seria eterno: construo amores possíveis.  
 .
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Priscila Rôde
h1

novembro 24, 2011

.

.

.

.

.

.

soluços e cabelos curtos

você não devia
curar meus soluços sem sustos
não devia desarrumar assim os meus cabelos curtos
você não devia
roubar meus instantes
nas suas fotografias
capturar meus sorrisos, meus olhos fechados,
e as minhas covinhas mais distraídas…
você não devia me tornar poesia.
não devia me beijar como se fosse pressa
e me deixar sozinha.
você não devia me deixar sozinha
com meus soluços e cabelos curtos
sem foco, a luz estourada,
os óculos escuros
você não tem pressa
eu também tenho medo
você congela as minhas urgências
como uma fotografia
como se o meu desejo fosse foto
você me paralisa.
.
mas eu vou fugir, sabe?
já tenho tudo planejado.
.
vou fugir com seus beijos
para um lugar sem gente nem paisagem
passado ou futuro
suspenso e secreto
– você devia fugir comigo.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

beatriz provasi

h1

novembro 21, 2011

.

.

.

.

.

.

para os dias azuis

Respirar a sua presença, apesar de você não estar, mas ser em mim e do meu lado (de dentro). às vezes é preciso apenas respirar. As palavras dançam uma música constante e silenciosa, se embaraçam em nós. Palavras são volúveis demais para o meu amor perene e longínquo. você está em todos os rastros, em todos os passos, você está em cada verbo que calo. Conjugo meus pensamentos no seu imperativo modo. Oculto sujeito. Verso sobre versos que não fiz… Tudo brilha em mim se é você.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
sandra regina de souza
.
h1

novembro 19, 2011

 

.

.

].

..

.

.

normalmente

.

Eu só sei

que esse normal mente.

(E mente mal!)

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

rayanne