Archive for abril \30\UTC 2012

h1

. . .

abril 30, 2012

.

,

,

Tem esse aperto no peito e uma quase-angústia.

Das coisas sem nome, que eu podia chamar de. Mas é melhor não. Porque quando a gente enfeita o sentimento com letras, ele ganha uma concretude que é pra nunca mais. E eu tenho medo do que é pra nunca mais.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Brisa

h1

. . .

abril 29, 2012
                                                                                                                                          
 
As ondas
 
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .para ouvir
 
 
Quase igual a esse movimento que as ondas fazem, nesse vai e vem de incertezas que eu cheguei às minhas respostas. Achei quando era nova que quando nós morrêssemos explodiríamos feito estrelas e serviríamos de brilho para os casais deitados nos carros, para os astrônomos pesquisarem, para um desesperado andarilho ter fé. Achei que nossos herois iriam nos salvar com todos aqueles super poderes de todo o mal. Descobri que temos de aprender a ser nós próprios os salvadores, nosso próprio fim feliz. Os meus olhos gentis acreditavam que sendo boas pessoas iriam nos garantir nossos presentes de fim de ano, mas não me disseram que temos de ser além de tudo fortes, corajosos, sentir o gosto do próprio sangue na boca e suor na face para chegarmos ao topo da montanha – foi subindo aos poucos e pedaços que eu descobri o quão alta ela é. Feito uma criança, eu acreditava que quando conhecêssemos alguém que nos fizesse mudar nosso rumo esse alguém continuaria segurando a nossa mão, nos guiando como um sinal de fogo num abismo que nos lançamos sem correntes, sem segurança, armadilha. Nos perdemos para poder saber como encontrar. Encontrei a verdade sobre minhas dúvidas insanas, as causas para minhas lágrimas no travesseiro, para a risada sozinha no fim da tarde. Eu pensei que esqueceria ele em duas semanas, mas olha, já faz dois anos e não houve vodca ou remédio forte que resolvesse. Não houve mãe falando que no fim ia ficar tudo bem, droga que me desse amnésia, par de lábios que me fizesse companhia. Apostei que o cigarro era a forma mais rápida de te deixar menos blue, te ocupar a mente… Nunca me vi tão solitária quanto com um copo de gim numa mão, uma caixa de charm na bolsa e os olhos num solo de guitarra que não me fazia bem mesmo. Achei que levar para cama outros caras ia vulgarizar meu sentimento mais doce por você. A única coisa que vulgarizei foi eu mesma que sentia nojo da todas as minhas curvas – sem o complemento das suas. Duvidei que quando ficássemos velhos, cansados da mesma vida, dos mesmos lugares, mesmos ventos frios, mesmas lágrimas vazias, músicas repetidas, não teríamos motivos para sonhar, mas veja bem, eu nunca estive tão errada. Foi nesse vai e vem de certezas que encontrei os problemas das minhas soluções. Quebrando na areia, indo suave até a beira do mar beijar os pés e voltando impiedosa como se algo mais seguro me levasse ao início, algo mais forte, melhor para mim.
 
Beatriz.
 
 
 
 
“Tenho frases guardadas, que fiquei de dizer quando houvesse sentido.”
……………………………………..,……………………………..Gabito Nunes
                                                                                                             
 
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Beatriz Marques
h1

abril 28, 2012

.
-> <-,

fernanda takai

h1

abril 27, 2012

.

.

Balada para dois

 
eu
sem
mim
sou
o fim
 
fico
assim
sem
saber
o que
fazer
o que
ser
 
agora
imagina
 
eu
sem
você
 
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Múcio L Góes
h1

abril 24, 2012

.

.

.

Bem mal resolvido.

                                                           “Aumenta o som do meu stereo
                                                          Que eu quero te levar a sério.”
                                                             Rodrigo Netto, por Detonautas

..

Quem me conhece sabe que eu vivo para sentir. Sou discípula de Cazuza e adoro um amor inventado, vivo criando expectativas, sonhando histórias, que na maioria das vezes acontecem. Daí vem você, que sempre foi amor na minha vida, e me deixa sem saber se eu estou inventando ou não. Pela primeira vez eu não consigo avaliar os riscos. Você chega com essas palavras lindas, com suas entrelinhas e toda aquela vontade antiga e eu fico sem saber o que fazer. Eu não sei se você me quer pra contar daquele seu flerte fatal ou se você quer amanhecer comigo. Eu não sei se você me quer de lingerie preta ou se você me quer te fazendo um cafuné, como nos velhos tempos. Entendeu? Pela primeira vez eu não sei o que fazer, o que dizer, o que vestir. Pela primeira vez eu não sei o que sentir. Então, meu bem, me faça o favor de não me deixar tão confusa, nem tão solta. Me faça o favor de ser um pouquinho menos enigmático. Você sabe que eu adoro te descobrir, mas dessa vez tá difícil. Muito difícil, por sinal.

Embora eu tenha te dito que você não me surpreende, saiba que eu estava blefando. Eu queria dicas. Melhor, queria respostas, verdades na cara. E você aí, me deixando mais um ponto de interrogação, eu que já tenho tantos que ainda não foram respondidos. Meu bem, eu não aguento por tanto tempo. Essa dúvida me consumindo e cada vez mais me tirando o equilíbrio. Me tire o equilíbrio apenas se você estiver logo embaixo pra me aparar. Senão, deixemos tudo como está. Continuemos com esse nosso amor inocente. Continuemos sendo porto seguro um pro outro. Continuemos sendo lindos um com o outro.

(Seremos eternamente esse nosso amor bem (mal) resolvido.)

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

 
Ludmila Melgaço
h1

abril 20, 2012

.

h1

. . .

abril 19, 2012

.

.

.

quase impossível.

quase impossível. quase um beijo. uma noite. um desejo de todas as horas. quase uma estrela. um toque. silêncio. quase dói. afaga. voa. quase a tua mão. um rio. o mar todo. quase o desejo. querer morrer ali. viver para sempre. quase o azul. sépia. o chão. quase um abraço. paixão. eterno. quase um luto. uma vontade. agarrar a vida. quase a solidão. vento. tu aqui. quase frio. onde estás? aqui. quase triste. longe. ao lado. quase um segredo. coração aberto. calado. quase uma canção. a minha voz. a tua música. quase outono. dourado. a sonhar a primavera. quase partir. querer(-te). ficar. quase uma chama. extinta. protegida. quase chorar(-te). sonhar(-te). ansiar(-te). quase o presente. o passado. o futuro. uma escolha. um mundo. eu. tu. quase impossível. sempre amor. quase impossível.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

delusions